Canela de Velho: Marca Registrada
Esclerose Múltipla, que doença é essa?
Esclerose múltipla, que doença é essa?
A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença crônica, que ataca o sistema nervoso central (o cérebro e a espinha dorsal) podendo às vezes incapacitar a pessoa.
Esclerose Multipla

Esclerose múltipla, que doença é essa?

A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica, que ataca o sistema nervoso central (o cérebro e a espinha dorsal) podendo às vezes incapacitar a pessoa.

Os sintomas podem ser leves, como uma dormência nas extremidades do corpo (mãos, dedos e pés), ou graves, como paralisia ou perda da visão.

O avanço da doença ou seja a gravidade e os sintomas específicos da esclerose múltipla (EM) variam de pessoa para pessoa e não podem ser previstos. Hoje, os novos tratamentos e os avanços em pesquisas estão enchendo de esperança as pessoas acometidas por esta doença.

Acredita-se que a esclerose múltipla seja uma doença imunomediada (autoimune) em que as próprias defesas do corpo atacam a mielina. A mielina é o tecido adiposo que envolve e protege a fibra nervosa do sistema nervoso central. Quando a mielina está danificada, permanece uma cicatriz (esclerose). Ocasionalmente, a fibra nervosa também se danifica.

Quando qualquer parte da bainha de mielina ou a fibra nervosa é danificados ou destruídos, os impulsos nervosos que viajam entre o cérebro e a medula espinhal ou vice-versa são distorcidos ou interrompidos.

A maioria das pessoas com Esclerose Múltipla (EM) tem uma expectativa de vida quase normal e a maioria aprende a viver com a doença levando uma vida normal e produtiva.

Quais são os sintomas da Esclerose Múltipla (EM)?

Os sintomas da Esclerose Múltipa podem incluir:
  • formigamento (das extremidades do corpo), dormência, sensações dolorosas, dificuldades em falar e visão turva ou dupla.
  • Fraqueza muscular, perda de equilíbrio, problemas de coordenação, espasticidade ou rigidez muscular, tremores e mesmo paralisia que pode ser temporária ou permanente.
  • Fadiga, cansaço e desconforto térmico ambiental.
  • Perda de memória e dificuldades de concentração.
  • Mudanças no estado de ânimo e suscetíveis a depressão.
  • Problemas intestinais e da bexiga.
  • Alterações da função sexual.

Todos estes sintomas podem aparecer e desaparecer, manifestar em diferentes combinações, e podem ser leves, moderados ou graves.

Como diagnosticar a esclerose múltipla?

Ainda não existe uma prova ou exame laboratorial específico para diagnosticar a Esclerose Múltipla (EM). Ela requer uma avaliação do histórico clínico completo, exame neurológico e estudos de diagnósticos da pessoa.

Vários processos do tipo infeccioso, inflamatório, metabólico ou vascular podem simular um quadro parecido ao da Esclerose Múltipla (EM), pelo qual se necessita realizar um Diagnóstico Diferencial.

Para o Diagnóstico Diferencial da esclerose múltipla (EM) é necessário descartar outras enfermidades ou condições que possam assemelhar-se a esclerose múltipla por seus sintomas e sinais realizando todos os exames necessários.

Algumas das doenças que podem parecer ou assemelhar-se à esclerose múltipla são: lúpus, vasculite, sarcoidose, encefalite, mielite, doença de Lyme, sífilis, herpes zoster, HIV, problemas genéticos, deficiência de vitamina B12, diabetes, tiróide, tumores, problemas degenerativos ou traumáticos, como compressões malformações espinhais e vasculares.

Para o diagnóstico definitivo de esclerose múltipla, deverá haver a evidência objetiva de duas exacerbações:

  1. As exacerbações, ataques ou recaídas são aparições súbitas ou agravamento dos sintomas e sinais que duram pelo menos 24 horas. É chamado de evidência objetiva e que pode ser verificada por meio de exame neurológico ou outro tipo de exame.
  2. As exacerbações devem ocorrer em diferentes ocasiões e afetar diferentes áreas do sistema nervoso central. Não deve haver outra explicação razoável para a formação das placas ou dos sintomas da pessoa.

Tratamentos disponíveis para a Esclerose Múltipa

Já existem doze tratamentos modificadores e controladores da esclerose múltipla aprovados pela Federal Food Administration e Drogas (FDA) dos Estados Unidos. Seis deles, 3 são injetáveis (Avonex®, Betaseron®, Copaxone®) e três são orais (Extavia®, Plegridy ™ e Rebif®). E os outros seis são administrados por infusão (Aubagio®, Gilenya® e Tecfidera®, Lemtrada ™, Novantrone® e Tysabri®).

Estes doze tratamentos mostraram ser eficazes para redução das atividades da Esclerose Múltipla (EM) nas formas da doença em curso. Com exceção de Lemtrada e Novantrone, todos são considerados como primeira linha ou opções de tratamentos para pessoas portadoras de Esclerose Múltipla (EM). Isto significa que a FDA não recomenda e oriernta que só use essa medicações caso já tenham testados todas as outras dez opções.

Novantrone é um poderoso supressor de sistema imunológico que provou ser eficaz para retardar rapidamente o agravamento da Esclerose Múltipla (EM) ou que a doença avance progressivamente. Porém, hoje em dia só é prescrito, ocasionalmente, já que seu uso acarreta riscos significativos aos doentes.

Alguns órgãos americanos de saúde recomendam considerar o tratamento com um destes medicamentos modificadores assim que se tenha a confirmação do diagnóstico da doença Esclerose Múltipla (EM) em curso. ainda não existe cura para a Esclerose Múltipla e sim o controle da doença.

Alimentação ideal para portadores da Esclerose Múltipla

  1. Suplementação de Curcumina + Piperina - A curcumina é extraída da Cúrcuma (Açafrão da Terra) ela pode proteger as células nervosas e ajustar o sistema imunológico do corpo. O corpo absorve muito pouco a curcumina diretamente do tempero da cúrcuma (açafrão da terra) muito usado na culinária indiana, o ideal é usar as cápsulas com a piperina que melhora a absorsação da curcumina pelo corpo em mais de 2000%. A curcumina é segura para a maioria das pessoas, mas pode causar efeitos colaterais se você tomar alguns medicamentos. Portanto, verifique com seu médico antes de tomá-lo como um suplemento.
  2. Alimentos ricos em vitamina D - Se você tem EM, você pode ter risco de osteoporose, uma condição que torna os seus ossos mais fracos e mais propensos a fraturas. A vitamina D pode ajudar a protegê-lo do problema. Ela também ajuda a conter a inflamação que aumenta os sintomas da EM. A luz solar ajuda a sua pele a fazer o nutriente, mas peixes oleosos como salmão ou atum, iogurte, ovos, cereais e suco de laranja fortificado são boas fontes de alimento. Seu médico poderá prescrever o uso de um suplemento de vitamina D.
  3. Frutas e vegetais - Quando você come cinco porções deles por dia, você está carregando antioxidantes, o que pode ajudar a aliviar a inflamação. Se você comê-los regularmente, eles podem ajudá-lo a evitar recaídas ao longo do tempo. Carregar seu prato com alimentos ricos em antioxidantes, como cebola, maçãs, frutas cítricas, bagas e uvas pretas é uma boa opção diária.
  4. Gengibre - Você pode usá-lo como um tempero de cozimento. Estudos mostram que pode acalmar o sistema imunológico e pode até melhorar problemas de memória e dor muscular, sintomas comuns na esclerose multipla. Pode usá-la em cápsula, mas a raiz fresca de gengibre pode trazer maiores benefícios. Descasque, rale ou pique coloque nos alimentos ou colque numa xícara co água quente e use como chá.
  5. Alimentos com fibra - Como ameixas secas ou seu suco, pão integral, arroz integral e outros grãos inteiros. É bom porque ajuda a prevenir a diarréia, um problema comum das pessoas com esclerose múltipla. Tente consumir pelo menos 25-30 gramas de fibra por dia. Mas lembre-se de, junto com as fibras, consumir bastante líquidos.
  6. Chá verde - Se apresenta fraqueza muscular e fadiga muito comum na esclerose múltipla tome uma xícara de chá verde é calmante pode ajudar. Um pequeno estudo descobriu que alguns de seus compostos, incluindo um chamado EGCG, podem ajudar a reduzir esses sintomas além de reforçar o sistema imunológico.
  7. Alternativa aos derivados do leite - Alguns estudos (não conclusivos) mostram uma ligação entre o leite de vaca e a esclerose múltipla. Uma teoria é que as proteínas presentes em produtos lácteos podem irritar o sistema imunológico. Converse com seu médico antes de eliminar os produtos lácteos e consuma produtos ricos em cálcio sempre que substituir o leite de vaca por leites vegetais como os feitos de amêndoa, soja, arroz, ou aveia.
  8. Peixes ricos em ômega 3 - Arenque, cavala, atum albacora, sardinha e salmão todos têm ácidos graxos ômega-3, que reduzem a inflamação no corpo. Estudos mostram que três porções por semana como parte de uma dieta de baixo teor de gordura pode encurtar surtos da esclerose múltipla e torná-los menos intensos.
  9. Proteína magra - Prefira as carnes magras de carne vermelha ou o frango sem pele. Ou troque a carne por feijões e lentilhas. Eles são ricos em fibras e folato, o que pode ajudar a reduzir os surtos da esclerose múltipla.
  10. Grãos inteiros - Tente consumir 3-5 porções de grãos integrais saudáveis, como massa de trigo integral, quinoa, ou arroz integral todos os dias. Seus carboidratos complexos podem evitar picos de energia e ajudá-lo a se sentir menos cansado. E sua fibra irá ajudá-lo a gerenciar seu peso e evitar a diarréia.